Mel – Parte 1


Mel – Parte 1

Mel

O mel, é um o adoçante universal, que  aumenta a resistência e melhora o rendimento físico. Um dos seus maiores benefícios é o facto de ser um poderoso estimulante do sistema imunitário. O mel tem propriedades antibacterianas que ajudam a melhorar a digestão, é um óptimo regenerador da pele, tem propriedades sedativas (por exemplo nas picadas de insetos), é um carboidrato que fornece energia de qualidade ao nosso corpo, especialmente quando fazemos exercício, daí ser uma fonte de energia muito adequada para atletas, também recomendável para o desenvolvimento infantil, pois favorece a assimilação do magnésio e do cálcio. Também ajuda a previnir contra a osteoporose, uma vez que aumenta a fixação de cálcio nos tecidos. Possui também uma acção prebiótica, agindo beneficamente sobre a flora intestinal. Por conter uma substância chamada inibina age como antibiótico natural. Tem acção antioxidante, anti-inflamatória, anti-séptica, e anti-microbiana. É imunoestimulante, sendo eficaz contra os sintomas de gripes e constipações. É ainda um bom coadjuvante no tratamento de problemas pulmonares e da garganta.

O seu valor calórico é menor do que o açúcar. Fornecendo cerca de 320 calorias, contra as 400 calorias do açúcar, por cada 100 gramas, mas com um poder adoçante duas vezes superior ao do açúcar.

Em casos da diabetes, deverá consultar o seu médico, antes de consumir Mel dado o seu forte teor de açurares.

Excelentes alimento energético, é um adoçante natural (substitui o açúcar), é de fácil digestão, é constituído por vitaminas: B, B1, B2, B5, B6, C, D e E e sais minerais como o ferro, o zinco, o cálcio, o fósforo, o potássio, o magnésio, entre outros.

As suas funções terapêuticas são inúmeras e variam de acordo com as flores de onde a abelha extrai o néctar. “O mel de laranjeira, por exemplo, tem propriedades sedativas e um gosto mais suave. Já o de eucalipto, com cor mais escura e sabor forte, é indicado para as doenças do aparelho respiratório como tosses, gripes e bronquites. O silvestre é leve e tem o poder de acalmar, fortificar e desintoxicar e por aí diante.

É um alimento muito nutritivo e completo. Deve ser consumido no dia-a-dia puro ou em iogurtes, sumos de fruta, batidos, cereais, torradas, etc.

Com o passar do tempo o Mel puro cristaliza. No entanto, mesmo estamdo cristalizado o mel mantém todo seu valor nutricional, mudando apenas o seu estado.

A cristalização do mel é uma garantia da sua pureza e da sua qualidade. Geralmente, os méis puros acabam por cristalizar com o passar do tempo.

Quando o mel não cristaliza é possível que tenha sido submetido ao calor (nomeadamente no processo de pasteurização).

Para descristalizar o mel, basta aquecê-lo, sem tampa, em banho-maria (cerca de 40º C aproximadamente) para que ele volte ao seu estado normal. De notar que não deverá efectuar este processo a altas temperaturas sob prejuizo de destruir as suas propriedades.

A OMG (Organização Mundial de Saúde) recomenda o uso do mel como remédio natural para todo o género de gastroenterites e até mesmo para o tratamento da diarreia do viajante. Meia colher de chá de mel por dia ajuda também a acalmar a úlcera péptica.

Uma das grandes vantagens do mel é que ele se auto-conserva sem a necessidade de conservantes, e afins. Esta característica deve-se ao facto de o mel ser constituído basicamente por açucares e com uma dose mínima de água impedindo assim que leveduras e outros microorganismos que estragam o produto se consigam desenvolver, além de que as suas propriedades anti-microbianas também contribuem para que o mel mantenha a sua integridade mesmo ao longo de vários anos.

MelNa verdade, o arqueólogo T.M. Davies descobriu uma jarra de mel com 3.300 anos num túmulo egípcio que, estava em óptimas condições, para sua grande surpresa.

Durante séculos, o mel foi o adoçante principal em todo o mundo. Relevos egípcios em túmulos do século III a.c. mostram trabalhadores a recolherem o mel das colmeias. Era também utilizado por estes como bactericida e para embalsamar as suas múmias, entre muitas outras aplicações. Os egípcios faziam do mel um uso bastante alargado.

 

ATENÇÃO: Em casos de Diabetes ou outras condições específicas deverá consultar um médico antes de consumir o Mel.

 

Não perca, amanhã, a 2ª parte.

 
Gostou? Aproveite e deixe o seu comentário!
 

Posts Relacionados:

Gengibre

Abóbora

Canela

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: