Posts tagged ‘anti-inflamatório’

AÇAÍ – Uma benção da Natureza

AÇAÍ – Uma benção da Natureza

açaí

Hoje gostaria de vos falar de uma verdadeira Benção da Natureza, considerada a única fruta realmente completa, na natureza. O AÇAÍ.

O Açaí é uma fruta que cresce em cachos, provenientes da palmeira Euterpe oleracea, conhecida como açaizeiro, que pode atingir de 12 a 25 metros de altura e nativa das Américas Central e do Sul, principalmente na Floresta Amazónica do Brasil.

O Açaí é pequeno no tamanho, mas gigante nas propriedade que encerra. De cor púrpura escura o açaí é composto principalmente de sementes, na verdade cerca de 90% do Açaí são sementes e coberto de uma pequena quantidade de celulose – de salientar que a semente do Açaí não se come.

Dos nutrientes presentes no Açaí, destacam-se:

  • Vitaminas B1, B2, B3
  • Vitamina C
  •  Vitamina E
  • Fibras
  • Ferro
  • Magnésio
  • Cálcio
  • Aminoácidos
  • Ómega-3
  • Ómega-6
  • Ómega-9

Além disso, o Açaí possui um elevado teor de antocianinas e polifenóis (antioxidantes),  que combatem inflamações e infecções bacterianas e o envelhecimento precoce. Este alto teor de antocianinas presentes no Açaí permite combater o envelhecimento prematuro e previne sérias doenças degenerativas.

Os antioxidantes são as substâncias que protegem as nossas células contra a oxidação causadas pelos radicais livres. Os radicais livres podem danificar partes importantes das células, podendo criar mutações (alterações genéticas) do ADN, nutações estas que não sendo eliminadas dão origem a problemas gravíssimos de saude como os vários tipo de Cancro.

Açaí é muito rico em vitamina C e ácido elágico, combinação que se tem verificado ajudar a suprimir o crescimento do cancro. Os compostos polifenólicos extraído de Açaí inibem a proliferação de células cancerosas em 56-86%.

Pensa-se que os fitoquímicos do Açaí podem  interromper o processo de carcinogénese a nível molecular, matar células tumorais antes de se multiplicar. Auxilia na prevenção do cancro de próstata.

Extremamente elevado em muitas formas de fitoquímicos vegetais (antioxidantes), o Açaí pode contribuir para a capacidade de diminuir ou reverter processos típicos do envelhecimento relacionados à inflamação e dano oxidativo celular. Na verdade, o Açaí é uma das fontes mais completas de antioxidantes, e detém até dez vezes mais antioxidante que as uvas.

Açaí é também muito conhecido pelas suas capacidades de regeneração muscular, depurativas, estimulantes e energéticas proporcionando mais força e resistência, aliado ao facto de ser um dos alimentos com maior poder antioxidante (capacidade de eliminar os radicais livres) é amplamente utulizado pela comunidade desportiva inclusivée de alta competição.

Ajuda a controlar o colesterol e a diabetes.

Açaí é também bastante benéfico para a função metabólica (transformação dos alimentos no corpo), para os ossos e músculos e fortalecimento do sangue.

Devido ao seu grande conteúdo em fibras ajuda ao bom funcionamento do aparelho digestivo, reduzindo o colesterol e evitando as doenças do cólon.

Contém os ácidos gordos essenciais Omega 3, 6 e 9 que ajudam na regeneração das células, na redução do colesterol e nos problemas cardíacos. Estas são as gorduras benéficas ao nosso organismo e são muito importantes para a nossa saúde. Ao contrário de muitos outros compostos, são considerados “essenciais” porque o nosso organismo não as consegue fabricar, apesar de estarem envolvidas em funções vitais para o ser humano, especialmente na estrutura das membranas celulares e na síntese das prostaglandinas, lecitina e mielina (compostos essenciais no corpo). Estes ácidos gordos essenciais têm um papel importante para manter baixos os níveis de colesterol e triglicéridos, para a estabilização do ritmo cardíaco, para manter limpas as artérias e nivelar a pressão arterial. Para além do mais regulam as hormonas prostaglandinas que por sua vez  ajudam o organismo na distensão dos vasos sanguíneos e a diminuir a possibilidade de formação de coágulos sanguíneos. Alguns autores não consideram o Omega 9 como essencial, porque o nosso organismo o pode produzir em pequenas quantidades; de qualquer forma está associado à redução da arteriosclerose, reduz a resistência à insulina e, desta forma, equilibra a glucose.

O Açaí é rico em vitaminas A e C, também estas potentes antioxidantes que fortalecem o sistema imunitário (defesas do corpo), a pele e a formação de glóbulos vermelhos.

Contém o complexo de vitaminas B que permite que os nutrientes dos alimentos sejam melhor aproveitados ao entrarem no organismo, dando-lhe assim mais energia.

O Açaí é extremamente rico em proteínas orgânicas vegetais (tem mais proteínas que o ovo) que não produzem colesterol durante a sua digestão e é de mais fácil assimilação pelo nosso organismo que as proteínas animais (do leite, ovo ou carne).

Conhecido por nutricionistas como um ótimo alimento, o Açaí pode ajudar não só na redução de peso, como também manter uma forma saudável. Um estudo interessante do Instituto Nacional do Envelhecimento – Brasil descobriu que polpa do Açaí tem a capacidade de reduzir os efeitos negativos de uma dieta rica em gordura.

Promove a saúde da pele – Atualmente, muitos produtos de beleza modernos têm na sua composição óleo de Açaí, devidos aos seus poderes antioxidantes. Tomado internamente, os frutos também pode dar a sua pele um brilho mais saudável .

Ajuda com problemas digestivos – O consumo do açaí também ajuda a manter nosso sistema digestivo limpo e em óptmo funcionamento, dado o alto teor em fibras presente no Açaí.

Devido às suas propriedades anti-inflamatórias pode ajudar no combate às reações alérgicas.

Melhora a função mental – Estudos preliminares mostram que o Açaí pode impedir o desequilíbrio mental em mulheres na menopausa.

Outra das suas caracterrísticas é a elevação de circulação do sangue total no corpo humano, um fenómeno que pode contribuir para um aumento do desejo sexual, especialmente para os homens. Isso faz do Açaí um fruto Afrodisíaco.

Informação Nutricional do AÇAÍ

Açaí

Onde encontrar o AÇAÍ ?

Apesar de amplamente conhecido no Brasil, em Portugal não é de todo fácil encontrar esta preciosidade da natureza, até porque é uma fruta bastante perecível sendo que o seu tempo máximo de conservação, mesmo sob refrigeração, é de 12 horas. O fator responsável por esta alta perecibilidade é a elevada carga microbiana, juntamente com a degradação enzimática, responsáveis pelas alterações de cor e aparecimento do sabor azedo. Atualmente, a conservação da polpa de açaí é feita pelo processo de congelamento, o que agrega um elevado custo ao produto.

Açaí - AçaVieTendo isto em consideração uma companhia Americana – Monavie, desenvolveu um processo de liofilização a frio patenteado (conhecido como OptiAçai) dando origem a um produto de qualidade premium (AçaVie),  que garante a integridade e conservação de todas as propriedades do Açaí desde a sua colheita até ao consumidor.

AçaVie da MonaVie é composto de uma mistura de 19 frutas que fornece uma grande variedade de antioxidantes, fitonutrientes, que ajudam na manutenção da boa saúde, inibindo os radicais livres.

O Açaí tem um papel importante neste processo, pois é a fruta com maior pontuação ORAC (acrónimo para “Oxygen Radical Absorbance Capacity”, ou capacidade de absorção dos radicais oxigenados) entre todas as outras frutas e vegetais testados até à data. Devido a esta fruta e às propriedades surpreendentes nutricionais que detém, a pesquisa mostrou que, por liofilização da baga, a maioria, se não todos os fitoquímicos potentes podem ser retidos por oposição a outras formas de processos de secagem.

Este processo garante que os produtos Monavie detenham a mais elevada qualidade do mercado.

Este é sem dúvida um suplemento a considerar na sua dieta alimentar. Em breve analizarei todos os produtos da Monavie. esteja atento.

 

Entretanto deixo-vos um video onde poderão obter já alguma informação:

 

Caso tenha necessidade deste produto entre em contacto comigo, por aqui ou para o meu e-mail (victor.ferreira@corpozen.pt).

 

Gostou? Aproveite e deixe o seu comentário!

Posts Relacionados:

Alimentos ricos em Vitamina E

Alimentos ricos em Vitamina C

Alimentos ricos em Cálcio

Anúncios

Mel – Parte 2

Mel – Parte 2

Mel

Retomo o assunto iniciado ontem: Mel

Se não acompanhou, veja aqui: Mel – Parte 1

 

Mel – Qual a Dose certa?

Qual será então a quantidade ideal para se obter os benefícios para a saúde?

Alguns autores sugerem o consumo de uma colher de sopa ao dia, mas não há estudos científicos conclusivos a respeito destes valores.

No entanto, é certo que o consumo frequente do Mel está associado a uma maior longevidade. A medicina oriental, refere inclusive, que quem deseje ter uma vida longa e saudável deve apostar no uso diário do mel.

Conservação do Mel

Mas a sua conservação também tem os seus segredos: manter o frasco bem fechado, em local fresco e seco. Não é à toa que as abelhinhas lhe extraem practicamente toda a humidade! Depois de aberto não é necessário colocá-lo no frigorífico. Nunca introduzir colher ou faca suja, ou húmida pois pode provocar a sua deterioração. Pode dizer-se que a humidade é a grande e talves até única inimiga do mel.

Mel e as crianças

Praticamente todas as crianças gostam de mel, mas, no entanto, há que ter alguns cuidados.

Não se deve dar mel a crianças com menos de um ano de idade uma vez que este pode conter esporos da bactéria Clostridium botulinum, que provoca o botulismo. Não importa a proveniência ou a origem do mel, o perigo existe sempre. Como o sistema imunitário dos bebés ainda não está completamente desenvolvido, pode haver o perigo de contrairem uma forma da doença chamada botulismo infantil. Os esporos do botulismo são bastante resistentes e podem sobreviver até à pasteurização e a altas temperaturas.

Por isso, espere até que a criança tenha pelo menos um ano de idade para lhe dar mel, mas cuidado para não abusar. Por ser um alimento extremamente doce, pode prejudicar a dentição. Uma boa higiéne oral é imprescindível e fundamental.

Numa fase em que a criança está ainda em crescimento o Mel é uma boa opção nesta fase de desenvolvimento e para recuperar o desgaste intelectual dos períodos escolares, favorecendo também a aprendizagem.

Mel e a Febre-das-fenos

Por incrível que pareça, o mel pode ajudar a aliviar os sintomas da rinite alérgica, vulgarmente conhecida por febre-dos-fenos, uma reacção alérgica desencadeada pelo pólen que se encontra no ar. Os naturopatas acreditam que tomar uma colher de chá de mel, diariamente, ajuda a criar resistências. No entanto, é importante que seja mel puro, de preferência biológico e produzido na área onde o paciente reside.

Mel e companhia

Além do mel, da colmeia sai a geleia real, o pólen e própolis. O própolis é um antibiótico mais forte do que o mel, enquanto a geleia real é considerada eficaz para estimular o sistema imunitário, acelerar a cicatrização, regular a hipertensão arterial, fornecer energia e reduzir o colesterol. Além da vitamina C, contém todas as vitaminas do complexo B e também todos os aminoácidos essenciais, responsáveis pelo crescimento, renovação e regeneração celular.

Escolher, guardar e usar

Procure mel prensado a frio e, se possível, e de preferência, compre-o ao produtor. Grande parte do mel que se encontra à venda nos supermercados passa por um processo de aquecimento que filtra alguns dos nutrientes mais importantes. Comprar mel que não foi sujeito ao processo de filtragem é particularmente importante para quem sofre de rinite alérgica, uma vez que este pode ajudar a criar alguma imunidade contra os efeitos do pólen.

Guarde o mel num armário da cozinha

Como já foi referido as suas propriedades anti-microbianas não o deixam adulterar. Cerca de duas vezes mais doce que o açúcar, terá que ser usado em menor quantidade. No entanto, lembre-se de que o calor em excesso reduz as suas propriedades antibióticas, pelo que, em pratos cozinhados, ou em chás só deverá juntá-lo perto do fim da confecção.

Mel e beleza

É amplamente conhecido o uso do mel a favor da beleza. Conta a lenda que a exuberante rainha Cleópatra, do Egipto, usava uma mistura de ocre, lápis lazúli, malaquita e mel para pintar as pálpebras. Os mesmos egípcios ferviam o néctar numa mistura de incenso, mirra, casca de canela para perfumar as roupas e deixar o hálito fresco.

Do Egipto e Roma antiga até aos nossos dias, o mel continua a ser um dos ingredientes preferidos da indústria cosmética, dada a sua riqueza em vitaminas A, C, D, e E. Sendo antioxidantes, essas vitaminas previnem o envelhecimento precoce da pele, bem como manchas, rugas, e flacidez. Já para não falar das suas propriedades hidratantes que estão relacionadas à função higroscópica da frutose, um dos seus açúcares predominantes. Este capta a água e mantém-se ligado a ela, evitando a desidratação da pele.

Todas estas qualidades, somadas à importante capacidade de auxiliar na regeneração dos tecidos, acabam fazendo com que esta iguaria seja um ingrediente usual em várias fórmulas de produtos cosméticos, desde cremes contra o envelhecimento a champoos anti-queda, passando por máscaras de cabelo fortalecedoras e cremes hidratantes para peles secas, existem várias alternativas no mercado em que o mel tem o papel principal.

AO SERVIÇO DA BELEZA AQUI FICAM ALGUNS TRUQUES:

Mel

Para olhos cansados

Misture meia colher de mel puro com uma colher de água. Passe nas pálpebras superiores e inferiores, de dentro para fora. De seguida dê batidinhas suaves com as pontas dos dedos onde tiver as marcas de expressão, para ativar a circulação.

Hidratação dos lábios

Use a mesma mistura indicada para olhos cansados, acrescida de óleo de sésamo frio, nos lábios e ao redor da boca. Friccione um lábio no outro para ajudar à absorção. É um óptimo substituto do vulgar báton de cieiro e muito mais saboroso!

Máscara descongestionante para o rosto

Junte uma colher média de mel a duas colheres de sopa de aveia e uma chávena de chá-verde bem concentrado. Mexa bem e deixe repousar durante cinco minutos. Aplique em todo o rosto, inclusive em volta dos olhos, e deixe actuar durante quinze minutos. De seguida, retire esfregando suavemente a pele. Lave o rosto com água corrente e enxugue a pele. Finalize aplicando, em todo o rosto, o chá-verde embebido num algodão.

 
Gostou? Aproveite e deixe o seu comentário!
 

Posts Relacionados:

Mel – Parte 1

Canela

Gengibre

Abóbora

Mel – Parte 1

Mel – Parte 1

Mel

O mel, é um o adoçante universal, que  aumenta a resistência e melhora o rendimento físico. Um dos seus maiores benefícios é o facto de ser um poderoso estimulante do sistema imunitário. O mel tem propriedades antibacterianas que ajudam a melhorar a digestão, é um óptimo regenerador da pele, tem propriedades sedativas (por exemplo nas picadas de insetos), é um carboidrato que fornece energia de qualidade ao nosso corpo, especialmente quando fazemos exercício, daí ser uma fonte de energia muito adequada para atletas, também recomendável para o desenvolvimento infantil, pois favorece a assimilação do magnésio e do cálcio. Também ajuda a previnir contra a osteoporose, uma vez que aumenta a fixação de cálcio nos tecidos. Possui também uma acção prebiótica, agindo beneficamente sobre a flora intestinal. Por conter uma substância chamada inibina age como antibiótico natural. Tem acção antioxidante, anti-inflamatória, anti-séptica, e anti-microbiana. É imunoestimulante, sendo eficaz contra os sintomas de gripes e constipações. É ainda um bom coadjuvante no tratamento de problemas pulmonares e da garganta.

O seu valor calórico é menor do que o açúcar. Fornecendo cerca de 320 calorias, contra as 400 calorias do açúcar, por cada 100 gramas, mas com um poder adoçante duas vezes superior ao do açúcar.

Em casos da diabetes, deverá consultar o seu médico, antes de consumir Mel dado o seu forte teor de açurares.

Excelentes alimento energético, é um adoçante natural (substitui o açúcar), é de fácil digestão, é constituído por vitaminas: B, B1, B2, B5, B6, C, D e E e sais minerais como o ferro, o zinco, o cálcio, o fósforo, o potássio, o magnésio, entre outros.

As suas funções terapêuticas são inúmeras e variam de acordo com as flores de onde a abelha extrai o néctar. “O mel de laranjeira, por exemplo, tem propriedades sedativas e um gosto mais suave. Já o de eucalipto, com cor mais escura e sabor forte, é indicado para as doenças do aparelho respiratório como tosses, gripes e bronquites. O silvestre é leve e tem o poder de acalmar, fortificar e desintoxicar e por aí diante.

É um alimento muito nutritivo e completo. Deve ser consumido no dia-a-dia puro ou em iogurtes, sumos de fruta, batidos, cereais, torradas, etc.

Com o passar do tempo o Mel puro cristaliza. No entanto, mesmo estamdo cristalizado o mel mantém todo seu valor nutricional, mudando apenas o seu estado.

A cristalização do mel é uma garantia da sua pureza e da sua qualidade. Geralmente, os méis puros acabam por cristalizar com o passar do tempo.

Quando o mel não cristaliza é possível que tenha sido submetido ao calor (nomeadamente no processo de pasteurização).

Para descristalizar o mel, basta aquecê-lo, sem tampa, em banho-maria (cerca de 40º C aproximadamente) para que ele volte ao seu estado normal. De notar que não deverá efectuar este processo a altas temperaturas sob prejuizo de destruir as suas propriedades.

A OMG (Organização Mundial de Saúde) recomenda o uso do mel como remédio natural para todo o género de gastroenterites e até mesmo para o tratamento da diarreia do viajante. Meia colher de chá de mel por dia ajuda também a acalmar a úlcera péptica.

Uma das grandes vantagens do mel é que ele se auto-conserva sem a necessidade de conservantes, e afins. Esta característica deve-se ao facto de o mel ser constituído basicamente por açucares e com uma dose mínima de água impedindo assim que leveduras e outros microorganismos que estragam o produto se consigam desenvolver, além de que as suas propriedades anti-microbianas também contribuem para que o mel mantenha a sua integridade mesmo ao longo de vários anos.

MelNa verdade, o arqueólogo T.M. Davies descobriu uma jarra de mel com 3.300 anos num túmulo egípcio que, estava em óptimas condições, para sua grande surpresa.

Durante séculos, o mel foi o adoçante principal em todo o mundo. Relevos egípcios em túmulos do século III a.c. mostram trabalhadores a recolherem o mel das colmeias. Era também utilizado por estes como bactericida e para embalsamar as suas múmias, entre muitas outras aplicações. Os egípcios faziam do mel um uso bastante alargado.

 

ATENÇÃO: Em casos de Diabetes ou outras condições específicas deverá consultar um médico antes de consumir o Mel.

 

Não perca, amanhã, a 2ª parte.

 
Gostou? Aproveite e deixe o seu comentário!
 

Posts Relacionados:

Gengibre

Abóbora

Canela

Gengibre

Gengibre

Gengibre

O Gengibre (Zingiber officinale) é uma planta herbácea da família das Zingiberaceae, originária da ilha de Java, da Índia e da China, de onde se difundiu pelas regiões tropicais do mundo. É também conhecido, no norte do Brasil, como Mangarataia.

Extraído da Wikipedia

Trata-se de uma planta perene (designação dada a espécies vegetais com um ciclo de vida longo, sobrevive por mais de dois anos. A folhas não caem, persistem) da Família das Zingiberáceas, que pode atingir mais de 1 m de altura. De folhas verde-escuras e compridas que provém de um caule subterrâneo (rizoma) grosso e duro, que pode ser amarelo, branco ou vermelho, sempre envolvido por uma película acastanhada. Possui flores tubulares, de cor amarelo-claro.

O seu caule subterrâneo é utilizado como especiaria desde a tempos antigos, na culinária e na preparação de chás e medicamentos.

O Gengibre é uma planta que necessita de temperatura elevada (entre 25 a 30º) para se desenvolver, e precipitação de até 2.000mm anuais, principalmente durante a época de cultivo até ao início da formação de novos rizomas.

O Gengibre terá sido trazido para Portugal durante o reinado de D. João III (1521-1557). É amplamente usado na culinária portuguesa bem como um pouco por todo o mundo com especial incidência no oriente. É frequente ver nas bancas dos mercados Japoneses o Gengibre nas mais variadas formas: fresco, seco, em calda, vinagrete, cristalizado (este é um dos meus preferidos), rebuçados… enfim… a oferta é vasta, o dificil é escolher, tanta é a variadade!

O Gengibre na gravidez

Dos sintomas mais usuais durante a gravidez são os enjoos e vómitos, principalmente durante o primeiro trimestre, e que por vezes se prolongam até algum tempo mais tarde, e podem ser muito desagradáveis para uma grávida. Como alternativa aos químicos que grande parte das vezes são proibidos à gravida, existe uma boa opção natural e segura para ajudar a aliviar os enjoos durante a gravidez:

o gengibre.

Foi comprovado em diversos estudos médicos que o consumo moderado do gengibre durante a gravidez é perfeitamente seguro, sendo recomendado o uso de menos de 2 gramas de gengibre por dia. Poderá ser utilizado como tempero na comida ou em chá.

Nesta última versão corte 3 ou 4 lâminas de gengibre fresco e deite-as numa chavena de água a ferver e deixe repousar por 15 minutos. Se o paladar do gengibre não for do seu agrado poderá recorrer ao uso de uma casca de limão ou laranja e/ou um pouco de mel.

Um ensaio clínico concluiu que 53% das mulheres grávidas que ingeriam gengibre, viram reduzidos os enjoos e vómitos e todos os sintomas associados ao enjoo matinal da gravidez.

Chá de Gengibre

O chá de gengibre, lâminas do rizoma fresco fervido em água, é um forte aliado no tratamento contra gripes, tosse, constipações e até ressaca.

Experimente fazer um chá de Gengibre aos primeiros sinais de gripes, constipações, dores de garganta, e afins.

Numa chávena de água a ferver junte 3 ou 4 lâminas de gengibre, uma colher de mel e casca de limão, (inclua também umas gotas de sumo de limão), para completar adicione um alho esmagado. Verá quão potente este remédio caseiro pode ser. É a minha receita favorita para estas ocasiões. Se o tomar bem quente e antes de deitar, no dia seguinte acordará como novo, no entanto repita o processo.

Indicações do Gengibre

Compressas quentes de gengibre são indicadas para aliviar os sintomas da gota, artrite, dores de cabeça e de coluna, além de ajudar a diminuir a congestão nasal, as cólicas menstruais e a previne o cancro de intestinos e ovários.

No Japão, utiliza-se o gengibre para massagens a partir de óleo de gengibre são tratamentos tradicionais e famosos para problemas de coluna e articulações.

Na fitoterapia chinesa, à raiz de gengibre dá-se o neme de “Gan Jiang“. a Sua ação mais importante é a de aquecer o baço e o estômago, expelindo o frio. É usada contra a perda de apetite, má circulação periférica (membros frios) vómitos, dores abdominais, diarreia entre outros. Aquece os pulmões e transforma as secreções. Támbém usado como coadjuvante nos processos de emagreciemnto e controle de peso.

A medicina ayurvédica (Indiana) reconhece a ação desta planta sobre o sistema digestivo, indicando-a para evitar enjoos e náuseas, sendo também indicado na digestão de alimentos gordurosos.

O gengibre tem ação bactericida, é desintoxicante e acredita-se há séculos que possua poder afrodisíaco. Na medicina chinesa tradicional, por sua reconhecida ação na circulação sanguínea, é utilizado contra a disfunção erétil. O óleo de gengibre também é utilizado para massagear o abdômen, aquecendo o corpo e excitando os órgãos sexuais.

Graças à sua alta ação bactericida, tem-se comprovado que o consumo de Gengibre cru por cerca de 30 dias (pode-se moer e acrescentar mel ou outro adoçante, etc.) elimina a bactéria Helicobacter pylori existente em casos de gastrite ou úlceras.

Esta raiz produz calor, fortalece o sistema imunitário e é um vasodilatador. Os seus efeitos benéficos sobre o organismo induzem um estado atento de força e sensualidade, o resultado é um amante vigoroso, sensível e voraz.

Devido à sua ação estimulante do sangue, a raiz pode ajudar a prolongar a função erétil e a estimular a lubrificação feminina.

Precauções Especiais e Avisos

  • Menstruação

Existem relatos de algumas mulheres de sangramento menstrual extra ao tomar o gengibre de uma forma excessiva. Dado que uma das propriedades do gengibre é ser um vasodilatador, quando tomado em excesso pode favorecer um sangramento mais abundante.

  • Gravidez

Estudos médicos efectuados provam que o consumo moderado do gengibre durante a gravidez é seguro. No entanto, é recomendado o uso de menos de 2 gramas de gengibre por dia. Se está grávida e consulte o seu médico e aconselhe-se com ele.

  • Amamentação

Não existem estudo conclusivos que apontem fatores de risco no consumo de gengibre de uma forma moderada durante a amamentação.

  • Distúrbios Hemorrágicos

Se tem distúrbios hemorrágicos deve evitar o consumo do gengibre. O gengibre é um vasodilatador, logo pode aumentar o risco de hemorragia.

  • Doenças Cardíacas

Altas doses de gengibre pode agravar alguns problemas de coração. Não use gengibre em grandes quantidades se você tiver problemas cardíacos.

  • Hipertensão

Hipertensos ou pessoas com pressão alta não controlada, deverão consultar um médico previamente.

  • Gastrites, lesões ulcerosas e calculos renais ou biliares

Nestes casos deverá consultar o seu médico.

De um modo geral, o gengibre é uma raiz bastante segura, no entanto, consulte o seu médico se algum efeito secundário ocorrer.

Propriedades do Gengibre

  • Antisséptico (combate ou previne as infecções, destruindo os micróbios; desinfetante);
  • Antiemético (evita os vómitos);
  • Anti-inflamatório (combate as inflamações);
  • Bacteriostático (impede o desemvlvimento das bactérias);
  • Carminativo (actua na expulsão de gases intestinais);
  • Antiespasmodico (diminui/combate os espasmos);
  • Estimulante da Circulação Periférica;
  • Estomáquico (favorece a digestão gástrica)
  • Afrodisíaco (potencia a função erectil bem como a lubrificação feminina)
  • Vasodilatador (provoca vasodilatação)

PREVINA-SE! O seu corpo agradece.

ATENÇÃO: Estas indicações são para situações gerais e preventivas, pelo que se os sintomas persistirem deverá procurar ajuda de um profissional.